Fundação Macaé de Cultura

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Home Polo de Cultura da Fronteira

Polo de Cultura da Fronteira

E-mail Imprimir PDF
Na tarefa de atuar como agente transformador sociocultural, o Polo de Cultura da Fronteira tem hoje mais de 400 alunos, e disponibiliza para a população aulas de balé, lambaeróbica, jazz, dança do ventre, ginástica localizada, capoeira, dança de rua e percussão.
 
Para cada modalidade são oferecidas 25 vagas. Cada uma delas é realizada duas vezes na semana, das 7h às 19h.
 
Na atividade de balé podem participar crianças com idades acima de três anos.
 
O Polo de Cultura fica localizado à Rua Manuel Marques Monteiro, 724, bairro Fronteira.
 
Mais informações pelo telefone (22) 2762-4716, das 8h às 17h.
 

Notas

Macaé promove segundo Seminário sobre Violência

O segundo Seminário sobre Violência, promovido nesta quarta-feira (29), reuniu 160 participantes e colocou em pauta a prevenção de violências contra o sexo feminino, a equidade e a ideologia de gênero machista. O evento, organizado pela prefeitura, aconteceu das 9 às 13 horas e de 14 às 18 horas, no Auditório Cláudio Ulpiano, na Cidade Universitária. A Secretaria de Desenvolvimento Social, Direitos Humanos e Cidadania, a Coordenadoria de Políticas para Mulheres e o Centro Especializado de Atendimento à Mulher (Ceam) foram responsáveis pela programação.

A importância do seminário foi destacada pela Secretária de Desenvolvimento Social, Tatiana Pires. "A violência está em toda parte, em todas as classes sociais, não está restrita à raça, cor de pele, religião. O município tem equipamento de proteção para acolher a mulher vítima de violência, que vem fragilizada, mas é atendida por um trabalho de rede de modo a garantir a essa mulher a segurança", disse a secretária.

Satisfeita com a adesão pública ao evento, a coordenadora de políticas para mulheres e do Ceam, Jane Roriz, evidenciou os dados: em 2016 foram 3.921 atendimentos sociais, psicológicos e jurídicos pela equipe técnica, formada por assistentes sociais, psicólogos e advogados, referenciados por algum órgão que atende as mulheres ou por demanda espontânea.

Fonte: Equipe da SECOM